O balneário Atami é um convite ao convívio harmonioso com a natureza. Um espaço único, um estilo de vida.

Balneário Atami

Organizado em duas áreas (norte e sul), o Balneário Atami possui características próprias de espaços que respeitam o harmonioso convívio entre o homem e a natureza, o que o torna um dos mais organizados e belos do Paraná.

Situado entre Shangri-lá e Pontal do Sul, possui dois acessos: um para o Atami Sul (balneário 36) e outro para o Atami Norte (balneário 37). As entradas são controladas por portaria, câmeras de monitoramento 24 horas e por seguranças treinados para a função.

Não é permitida pelas normas locais a construção de edifícios, o que proporciona um conjunto arquitetônico único, com uma distribuição harmoniosa de residências. Os espaços comuns são preenchidos com quadras de futebol e vôlei, playground e pista de skate, proporcionando lazer e descontração em meio a natureza. A Paróquia São Pedro e são Paulo realiza missas e novenas. Sorveteria e mercado podem ser encontrados no Atami, e os demais comércios em balneários próximos.

Uma das maiores faixas de restinga de toda a orla de Pontal do Paraná pode ser encontrada aqui, que além de preservar o ecossistema ainda torna mais charmosa a caminhada até o mar. Nas tranquilas areias brancas e nas águas com excelente balneabilidade, pode-se escolher entre a prática de esportes, caminhadas ou simples contemplação da natureza através de um mirante. Quase sempre premiada com voos de gaivotas, nascer e pôr do sol imperdíveis ou a vista deslumbrante para a Ilha do Mel, o Balneário Atami é um lugar diferente, especial. Beleza e simplicidade com a energia do mar.

Um pouco da história do Atami

Shinquichi Agari, foi um imigrante japonês que chegou ao Brasil em 1930 com espírito aventureiro e desbravador. Trabalhou em São Paulo na lavoura de café e como copeiro na mansão de um coronel até a década de 30. Depois imigrou para o norte do Paraná, onde foi um dos pioneiros da agrimensura. Tornou-se cidadão brasileiro em 1945 e na década de 60 resolveu investir em Paranaguá, pois acreditava que a cidade teria o maior porto do país.
Em 1956, ele e seu sócio negociaram as terras em Pontal, onde hoje é o Balneário Atami. O lugar foi registrado com o nome de Balneário Atami, em homenagem a um famoso balneário do Japão.

Carla Nagibe

Carla Nagibe é jornalista, formada em Letras, Gestão de Turismo e especialista em Administração de Marketing.

Apaixonada pelo Brasil e por viagens, aborda nessa coluna aspectos que relacionam o turismo ao desenvolvimento das cidades, culturas locais, gastronomia, produtos turísticos e tudo que estiver relacionado a esse instigante universo.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp